Image Map

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Entrevistando o autor: Namorado Quase Perfeito (Whoo)

Olá, pessoas. Hoje vou entrevistar a Whoo, autora de Namorado Quase Perfeito. 
Ela foi indicada pelo MrKing. 

Por que gostaria de ver uma entrevista desse autor?
Acho que seria legal conhecer um pouco mais sobre as intenções da autora com a sua fanfic. É também interessante a gente saber o que se passava na mente da autora antes de começar a fanfic e como enfrentou as dificuldades que passou escrevendo ela.

Por que recomenda a leitura dessa fanfiction?
A leitura é simplesmente fantástica.
Não é algo simples, a autora escreve de um jeito que consegue prender a atenção dos leitores e os manterem viciados na fanfic. Além disso, a fanfic possuí um enredo um tanto interessante e que eu nunca achei em outra fanfic. 
Ela consegue explorar todos os pontos da fanfic e aprimorá-la de diversos modos, e isto é realmente incrível. 


capa atual da história.
(Link)

E agora a entrevista:

1 – Oi, Whoo. Tudo bem? Por favor, se apresente a todos. Seu nome, idade, onde mora...
Olá! Meu nome é Labadessa (na verdade é meu segundo nome, mas prefiro que me chamem por ele). Tenho 14 anos e moro no estado de São Paulo.

2 – Quando começou a escrever?
Comecei a escrever quando tinha uns 11 ou 12 anos. Eu fazia fanfics e poesias sobre os casais de Naruto (SasuNaru, aliás) e tenho até uma dessas postada aqui no Spirit, embora a escrita seja infantil e consideravelmente "chata". Eu a fiz com uns 12 anos.

3 – Como foi o processo de escrever  “Namorado Quase Perfeito”?  O que te inspirou a escrevê-la?
Namorado quase perfeito foi uma loucura momentânea, de início. Me deu uma ideia louca e eu escrevi tudo no mesmo instante. Eu expliquei nas notas iniciais do primeiro capítulo que a base de todo o enredo é inspirada no mangá 'Zettai Kareshi', onde a personagem principal "compra" um boneco. Obviamente, minha fanfic NÃO é igual ao mangá, eu apenas peguei a base e a transformei numa coisa com a minha cara hahaha! De qualquer forma, parte dos créditos dessa fanfic vai ao autor(a) do mangá. Sobre o processo de escrita; no começo, eu confesso que fazia o que vinha na cabeça, e por isso os capítulos são tão malucos. Eu simplesmente abria o Word e escrevia na hora. Hoje em dia ainda faço isso, mas me tornei minimamente mais cuidadosa e perfeccionista, o que, em parte, justifica minha demora para postar. Gosto de fazer algo bem feito e caprichado, ainda que eu não seja profissional. Eu amo 'Namorado quase perfeito' e me divirto escrevendo. Por isso a escrevo com tanto cuidado e capricho.

4 – Pretende fazer uma continuação?
Continuação de 'Namorado quase perfeito' (NQP)? Creio que não. Claro que irei terminar a fanfic toda, mas quando terminá-la, não penso numa continuação ou algo do tipo. NQP é aquele tipo de fanfic que fica mais "leve" de se ler e apreciar quando é contida apenas em uma temporada. Essa é a graça; o gostinho que fica depois da leitura e a vontade por mais. 

5 – Algum dos seus personagens tem semelhanças com você ou é inspirado em alguém em especial?

Sim, claro! Eu sou todos os personagens, se me permito dizer. É quase como se minha personalidade fosse fatiada e dividida nos personagens de NQP. Min Yoongi é o meu lado extrovertido, particularmente brincalhão e descontraído; o Yoongi, na fanfic, é basicamente um brasileiro de espírito. E não devo me esquecer do fato de que ele sabe ser sério quando precisa e tem um senso de maturidade aguçado para determinadas coisas. Park Jimin é o meu lado mais sentimentalista; é aquele pedaço sensível que todos nós temos. O Jimin representa o meu medo de me machucar, o jeito como tento evitar uma decepção ou algo que vá me ferir. Assim como ele, acabei até mesmo machucando pessoas que me amavam por criar essa "barreira". O Jimin também é o meu lado acolhedor e conselheiro para com aqueles que amo. Jungkook é o meu lado poético por completo; é aquele sentimento de saudade da infância. Eu coloquei meu jeito criança no Jungkook, porque querendo ou não, ainda sou muito nova e tomo atitudes infantis e birrentas assim como Kook toma. Ele é a doçura e a "inocência" que ainda me resta (pouca), quase como se fosse a forma "colorida" de ver o mundo é encarar tudo de forma bonita e poética. Sobretudo, também há o lado mais atrevido e ousado de Kook (não falando de maneira sexual), o jeitinho manipulador e espertinho de conseguir aquilo que quer.

6 – Como é a sua relação com seus leitores?
É maravilhosa! Eu sempre deixo meu twitter nas notas finais para caso de algum leitor me chamar nas mentions. Muitos deles me chamam, e eu os sigo para conversar e sempre agradeço muito. Um deles chegou a me fazer uma capa para a FANFIC e outra até fez um trailer <3 Quando a fanfic não tinha TAAANTOS comentários, eu costumava responder todos com textão, hahah! Eu não gosto nada quando dizem que parei de responder por capricho meu, aliás, me sinto mal quando pensam isso de mim. Pessoalmente, eu não consigo dar conta de tantos comentários e me concentrar na fanfic ao mesmo tempo. Sim, eu sei que talvez tenham autoras que consigam, mas não é o meu caso. Eu leio todos os comentários, mas não consigo respondê-los, pois são muitos e na maioria das vezes são grandes. Já pedi perdão a eles por isso :( e é exatamente por esse motivo que deixo meu twitter nas notas para falar com todos pelo twitter. De qualquer forma, sou muito grata por tê-los e eles são uns amores!

7 – Tem ideia para alguma história futura? Pode nos contar um pouco?
Tenho, sim. Tenho uma pasta no notebook só de projetos, fanfics que escrevo aleatoriamente e coisas que pretendo postar futuramente. São muitas, e eu as escrevo quando me bate uma inspiração. Ainda assim, pretendo acabar NQP primeiro antes de postar qualquer outra fanfic. Quando eu terminar, pretendo postar muitas one-shots e algumas longs, a maioria jikook.

8 – Seus parentes sabem que você escreve? O que acham sobre isso?
Sim, meus parentes sabem. Todos me apoiam, para falar a verdade. Meus pais, em especial, sabem do conteúdo e isso não os agrada muito (eles não acham que relacionamento gay seja certo), mas devo dizer que eles ficam felizes e orgulhosos pelo fato de que eu escrevo, independente do que seja. Eles vivem falando para todos que eu escrevo bem e que vou ser escritora HAHAHAHA eu fico muito feliz com isso.

9 – Se pudesse reescreve alguma historia, qual seria e o que mudaria?
Uma história minha ou uma história por aí? Bom, acho que eu reescreveria minha one-shot "Vezes" e colocaria mais detalhes, incrementaria mais. Acho que ela ficou um tanto "seca". Caso esteja falando de uma história que não seja minha HAHAHA eu reescreveria uma fanfic de uma amiga minha, não vou citar porque não quero expô-la, mas ela ainda é amadora (não que eu não que eu seja) nesse ramo e acabou por abandonar uma ideia ótima. Eu faria tudo de novo e deixaria LINDINHO, apesar de também ser amadora. De qualquer maneira, não deixaria um plot lindo ser desperdiçado daquela forma.

10 – Quem ou o que te influenciou a começar a escrever?
Naruto. Naruto foi o principal motivo. Eu assistia quando mais nova e eu era completamente VICIADA. Por um acaso, acabei procurando fanfics do anime e achei fantástico. Eu também queria escrever uma, queria fazer um mundo só meu e colocar os personagens que eu gostava. Uma das minhas maiores inspirações foi a fanfic "Tic tac to love", que é SasuNaru. Depois disso, eu comecei a amar a escrita e passei a escrever até mesmo poemas.

11 – Quais os tipos de histórias que gosta de ler? Tanto fanfic quando livros físicos.
Eu não tenho muito o costume de ler, gosto mais de escrever. Sim, eu sei que para aprimorar a escrita eu preciso ler, e vou melhorar isso em mim. De qualquer forma, quando leio, gosto de basicamente tudo; desde algo como ALice no País das Maravilhas, até livros do Sidney Sheldon (Depois da Escuridão, Conte-me seus sonhos, Se Houver Amanhã, etc...). Eu sou leitora geral, para falar a verdade. Não leio muitas fanfics atualmente, pois prefiro livros. 

12 – Qual é a sua maior qualidade como autora? E o seu maior defeito?
Uma qualidade? Não sei. Ao meu ver, acho que consigo trabalhar as coisas (o desenvolvimento) de forma leve, pois minha escrita é um tanto quanto "despojada", e eu não costumo "jorrar" detalhes triviais. Acredito que minha escrita seja "gostosa" de se ler. Também sou muito criativa e, geralmente, tenho ideias muito facilmente. O defeito, no entanto, é que, em algumas vezes, eu não consigo colocar as ideias (que são muitas) no papel, e isso ocorre quando eu estou sob pressão emocional, stress, como queira interpretar. Eu fico muito mal quando isso acontece. 

13 – Como você se vê no futuro? Quer seguir a profissão de escritora ou isso é apenas um hobbie?
Bom, eu não posso dizer com tanta certeza se vou ou não me tornar uma escritora, até porque sou jovem ainda e seria burrice agir como se isso nunca fosse mudar ao longo dos anos. Mas, ainda assim, no momento, eu prefiro não deixar que 'escrever' vire uma profissão; eu amo, de verdade, escrever. Pra mim, escrever é poesia, e a poesia é livre. A partir do momento em que eu transformo a escrita num emprego, obrigação, com prazos e com fins lucrativos, o conceito de poesia que botei nela desaparece, e eu não quero que isso aconteça. Tenho medo que perca a magia da coisa, entende? Por isso, atualmente, eu prefiro manter como um hobbie. 

14 – Qual é a maior diferença entre a primeira história e a atual?
MUITA DIFERENÇA. Eu não me lembro muito bem qual foi a minha primeira história, mas vou falar sobre umas das primeira; era horrível. Sem profundidade, vaga, com muitos erros e, Deus do céu, detalhes que nem deveriam estar ali. Eu queria com amor, ainda assim, Mas era ruim, HAHAHAHAHA, ok, não existe história ruim, existem apenas escritas diferentes, certo? Mas aquela era ruim mesmo. Eu melhorei bastante, agora escrevo com mais cautela e com um sentimento muito maior envolvido. Acima de tudo, a experiência me tornou uma escritora muito melhor. 

15 – Como você reage as críticas? Sejam elas negativas ou positivas.
Bem. Muito bem, aliás. Obviamente, criticas são um tanto quanto desagradáveis, e ninguém gosta realmente de ouvir que seu trabalho tem algum defeito, mas é necessário, certo? Eu interpreto desta maneira. Não fico chorando e muito menos chateada quando recebo criticas, pelo contrário, agradeço à pessoa por ter sido sincera e, de forma ou de outra, ter contribuído para o meu aprendizado. Eu já aprendi muito sendo criticada, e espero que evolua ainda mais com as criticas que me direcionarem. 

16 – E, por último, infelizmente, quer deixar uma dica para escritoras futuras?

Claro que quero! Então, escritoras futuras; sejam vocês mesmas na escrita. Sério, não estou brincando. Não tentem escrever como tal pessoa ou tal autor, escrevam do jeito de vocês. Óbvio, devem colher experiências com as leituras de outras fanfics/livros, mas jamais invejá-los ou desejar ter a escrita daquela pessoa. Cada um escreve de um jeito, pois cada um é cada um, e isso nunca vai mudar. Sejam livres consigo mesmas e façam com que isso seja divertido, e não uma chateação. Não fiquem tristes com críticas, pois elas vêm para o bem (as construtivas), e, por favor, lembrem-se que todos podemos melhorar e estamos em constante aprendizado. Cuidado com a arrogância e tudo mais. Boa sorte com tudo <3


Obrigada por participar, Whoo!

Labadessa tem 14 anos e mora no estado de São Paulo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário